Globovisón

Em seguimento ao post anterior, sobre a ameaça à Globovisión , uma jornalista desse canal e que é uma das personalidades mais conhecidas da televisão venezuelana, fez algumas declarações sobre este assunto polémico que assola a Venezuela.

In D. N. (excertos da notícia) 
A principal pivot da Globovisión , Gladys Rodrígues , afirmou ontem à agência Lusa que "o fecho da RCTV representa mais um passo de Hugo Chávez rumo à monopolização do espaço informativo do país".

Após o fecho da RCTV, Gladys Rodrígues explicou à Lusa que, na Globovisión , sentem "o peso e a responsabilidade" de serem agora a única voz independente no panorama televisivo do país.

A pivot diz que o número de manifestações que ocorrem em todas as cidades é muito elevado. "Tal é a quantidade de manifestações por causa do encerramento da RCTV que não conseguimos dar vazão às informações que nos chegam a cada momento", diz .

E criticou ainda os outros dois canais privados, a Venevisión e a Televen que, "com medo de que lhes aconteça o mesmo, têm vindo a procurar agradar ao governo, evitando dar cobertura às manifestações".

Gladys Rodrígues confessa estar "profundamente envolvida" na organização Jornalistas Unidos pela Liberdade de Expressão, que foi criada depois do governo venezuelano ter anunciado a sua decisão de não querer prolongar a licença da RCTV .

"É um movimento sem partido cuja única finalidade é defender a liberdade de informação. Somos independentes, não estamos ligados a quaisquer interesses políticos e empresariais, apenas ao compromisso de defender a liberdade", referiu a pivot da Globovisión .
publicado por dina às 12:28 | comentar | favorito