Liberdade? Que liberdade?

 

As notícias que têm marcado por estes dias, intervenho por mim, são as referentes ao fecho da RCTV (Rádio Caracas Televisión ), na Venezuela, e que já transmitia há mais de cinco décadas.
Por capricho e por cobardia, Hugo Chávez decidiu não renovar a licença de transmissão a este canal privado.

As instalações da RCTV foram imediatamente ocupadas pelas TVes Televisora Social Venezuelana), canal publico, que favorece a imagem de Hugo Chávez . Se esta última foi inaugurada sob fogo de artifício, a outra foi fechada sob fortes protestos, em que os seus defensores gritavam LIBERDADE.
A RCTV dedicou, as suas últimas horas de emissão, a recordar os 53 anos de história daquela estação privada. Nos minutos finais, a partir dos estúdios, directores e trabalhadores do canal, artistas e jornalistas de diferentes meios de comunicação social, rezaram pela «liberdade» e transmitiram o vídeo «quando um amigo se vai (embora)».

Os estúdios da RCTV , a única que alinhava com a oposição a Chávez e que emitia a nível nacional, estavam dominados por um sentimento de tristeza.

 

Presidente do Chile apela à liberdade de expressão
A liberdade de expressão é uma «regra de ouro», declarou hoje Michelle Bachelet , presidente do Chile, reagindo desta forma ao encerramento da RTCV .

Bachelet   recordou a ditadura do general Augusto Pinochet , que ela própria sentiu na pele, afirmando que «tendo em conta a sua história política, para o Chile, a liberdade de expressão é a regra de ouro».

O tom entre Santiago do Chile e Caracas subiu recentemente, quando senadores chilenos denunciaram as ameaças contra a cadeia de televisão RTCV e Chavez os apelidou de «fascistas». Mas os presidentes já resolveram estes diferendos através de um encontro...

 

Em pleno século XXI continuamos a verificar que não aprendemos com os erros e que os responsáveis pelos países continuam a esquecer-se que não se pode a calar a voz de um povo.

publicado por dina às 20:02 | comentar | favorito