"O Primeiro de Janeiro" continua com futuro incerto

"O Primeiro de Janeiro saiu ontem para as bancas" apesar de parte do material informático ter sido confiscado por um credor na última sexta-feira.

 

Fonte próxima da redacção contou, ao JN, que a edição foi feita com "condições inferiores às de sexta-feira", graças ao recurso a material "em carteira" e à agência Lusa.

Ontem, também o Sindicato dos Jornalistas (SJ) voltou a mostrar preocupação com a situação dos cinco jornalistas que asseguram actualmente a publicação, sem salário há três meses, e que se juntam aos trabalhadores do "Motor", que não recebem há oito. Os subsídios de férias e de Natal deste ano e de 2008 continuam por pagar.

"Trata-se de uma situação inaceitável e insustentável, atentatória dos elementares direitos dos trabalhadores e que revela a falta de respeito do empregador para com o extremo sacrifício desses profissionais", pode ler-se no comunicado da estrutura sindical, que frisa ainda que os profissionais continuam a comparecer nos postos de trabalho e a assegurar a continuidade das publicações.

Recorde-se que a situação está a ser acompanhada pela Autoridade para as Condições de Trabalho e que, segundo o SJ, os jornalistas despedidos ilegalmente há quase um ano continuam ser reclamar os seus direitos.

 

Fonte: JN

 

 

publicado por dina às 20:39 | comentar | favorito
tags: