Saudosistas que nós estamos I/II

A RTP tem sido pautada nos últimos anos com alguma imaginação nos seus programas de entretenimento, tentando com qualidade, fazer concorrência - mesmo que por vezes não seja muito visível - aos canais privados.

Aliado a isto, tem sabido aproveitar os pontos positivos de uns programas para os outros.

'Operação Triunfo' foi realmente um trunfo há uns tempos e ter contratado a apresentadora 'querida' Catarina Furtado foi uma mais-valia. Outros programas foram aparecendo - com maior ou menor sucesso - e entretanto mais outra apresentadora veio da SIC, a Sílvia Alberto.

Certo é que com o estrondoso sucesso que teve o 'Dança Comigo', a RTP apostou nas danças, que até deu outro ânimo ao país e 'celebridade' a casais com uma certa idade num dos programas com mais longevidade da TV, a 'Praça da Alegria'. Isto até originou um ou mais galas. Pelo meio, a outra apresentadora do canal, Sílvia Alberto, apresentou o programa (este com menos audiência) 'Aqui há talento'.

 

Mas as artes já tomaram conta do canal. Ontem surgiu um novo programa de domingo à noite ('Festival da RTP - A melhor canção de sempre'), depois do fim antecipado, penso eu, do programa da Catarina Furtado, 'A minha geração'.

E como tal, a música veio mesmo para ficar. Desta vez, ficamos num contexto musical nacional de participações no Festival Europeu da Canção nas últimas décadas. O objectivo parece ser simples: eleger a melhor música de sempre.

Não concordo muito com esta ideia, porque estas participações têm acontecido pelo menos nos últimos quarenta anos e cada uma delas foi criada mediante o estilo musical da altura. 

 

Poderão ver mais informação sobre o programa aqui.

publicado por dina às 13:23 | comentar | favorito